31 de mai de 2016

Mais um Pedacinho de Mim

Você é daquelas pessoas que tem pavor de recordar o passado? Pois eu, não... Se não houvesse passado, como haveria o presente?
Ah o presente... O presente é um presente!  É o milagre de cada amanhecer batendo em nossas portas, independente de dias turvos ou não. Vivamos com a graça que merecemos. Já o passado... este, de acordo com cada fase que vivemos, remete-nos a infância, a adolescência, a juventude...
Há quem diga que "relembrar o passado, é vivê-lo duas vezes."  Melhor seria entào, se relebrássemos  apenas as coisas boas. Alguns momentos, mesmo não tendo sido tão alegres, com o tempo se transformam em puro riso! É tão bom relembrar momentos que nos fazem dar boas gargalhadas! Afinal, o que se perde com isto? Nada! Só se acrescenta...
Esta breve reflexão sobre o passado, é apenas um gancho para lhes contar mais um trechinho de minha história. Adianto que não é nada demais, mas espero que gostem de ler.

 Todas as vezes que passo pelo interior do Rio e consequentemente pela casa que vivi a infância e adolescência, relembro de alguns episódios que ainda hoje me fazem rir.
Desta vez, me lembrei de alguns momentos na primeira casa nos fundos daquele enorme terreno da família que depois de muito tempo, fora loteado e construída uma nova casa na frente.

Pois bem. Minha mãe sempre foi aquela mãe amiga, mas também um pouco rigorosa. Como a antiga casa, ficava bem nos fundos do terreno, com um longo caminho a ser percorrido da varanda  ao portão, ela nos impunha a regra, que se namorássemos até tarde da noite, deveríamos nos despedir  na varanda. ( A saber, que tarde da noite para ela, era pontualmente às 22 horas. "Isto-é-incrível!!!")

Era o primeiro dia do meu primeiro namorado em casa. Aquela euforia toda que quem já viveu, o sabe muito bem.  A gente queria mais, que os ponteiros do relógio parassem... Entretanto, se para a minha mãe 10 horas da noite, era muito tarde, 9:50 ainda era cedo. Santa ingenuidade!
-Tô indo, sogrinha.
-Vai agora não, meu filho, é cedo ainda!
Ele olhou para mim com aquele ar de menino esperto e eu, cabisbaixa, retribui com um  tímido sorriso. E como, (no caso) ainda era "cedo", pude levá-lo ao portão para nos despedirmos. Aí é que vem a melhor e a pior parte.

Fomos saboreando cada passo daquele longo caminho que se tornou curto naquele momento terno e inocente. Mas para não abusar da boa vontade de minha mãe, nos exatos 10 minutos a sós, pedi ao espertinho que fosse embora. Na verdade, tive que implorar...

E agora? Eu teria que voltar sozinha naquele caminho estreitíssimo, longo e tenebroso diante a minha infantilidade. E um detalhe: se a casa ficava bem lá nos fundos, toda a extensão do terreno pela frente, era de plantações, a maior parte, de milho.
Fui caminhando rapidamente e amedrontada. Olhava para o milharal se balançando nas laterais com pouca iluminação enquanto me sentia personagem de um filme de terror...

O medo era tanto, que no meio do caminho, gritei: "MÃE!"  Da varanda, ela respondeu com a voz mais firme e acolhedora do mundo: "Tem nada aí não, menina, deixa de ser boba." E foi ao meu encontro...  porque mãe adivinha a gente. E digo mais apenas para concluir: somente crescemos e andamos com as nossas próprias pernas, depois que delas, literalmente nos distanciamos. Mãe é a melhor parte do passado, do presente...
 É amor para vida toda .

Lu Nogfer

16 comentários:

  1. Olá queridos...
     
    Deixo notícias da mamãe pra quem conhece um pouco dela.
    Ela passou por maus pedaços com a saúde. Ficou bem debilitada mas agora já está bem melhor. Aquela, é dura na queda, graças a Deus.
     
    Muito obrigado a todos pela doce presença.
    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
  2. O que eu posso dizer desse post, além de rasgar elogios???
    Uma declaração de amor ao passado (sim... o passado passou mas não pode ser esquecido!!!.... nossas experiências têm que ser lembradas sim senhor!!!).
    Uma declaração de amor à mãe...uma declaração de amor à vida...
    Lindo o post... emocionou-me muito!!!!
    Quisera eu ter minha mãe para fazer a ela uma homenagem tão tocante e cheia de ternura.
    Beijos Lu.... e que tua mamãe possa ainda te ensinar muito!!
    Um doce beijo desse admirador humilde e simples!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas, P, o passado são as experiências que vamos adquirindo pelos caminhos. É o real motivo de sermos quem somos hoje. E quem tem recordaćoes doces nao precisa de ter pânico de passado não é verdade?

      Sim minha mãe tem muito a me ensinar e eu a aprender com ela. É uma grande guerreira e mestra da vida! A sua, está no céu e certamente te admirando de lá.
      Meu amigo, teu comentário tambem me emocionou muito! Muito obrigada pelas palavras viu.
      Doce beijo pra ti tambem, com a minha admiração de sempre, sempre!

      Excluir
  3. Querida Lu
    Antes de mais... o que seria eu sem passado??? Nada! Absolutamente nada! É o passado, e as boas recordações que tenho dele, que me mantém de pé e me ajudam a viver o presente.
    O seu texto é... delicioso! Fez-me sorrir de ternura.
    Mãe é isso mesmo. Por mais rigorosa e exigente que possa ser... podemos sempre contar com o seu colinho acolhedor, a sua palavra reconfortante.
    Adorei!

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo Mariazita, quando temos uma bela história , relembrar o passado até nos vivifica. O que não significa estarmos presos ao passado como muito pensam. Isto é outra coisa, não é mesmo?
      Que bom que você gostou e sorriu!
      Sempre que me lembro deste episódio não consigo conter o riso. rs
      E é verdade: mãe é um colo tão acolhedor que se pudéssemos, teríamos ao nosso alcance para sempre.

      Obrigada amiga. Ótimo final de semana pra ti!
      Beijinhos

      Excluir
  4. MÃE! MANHÊ! Quantas vezes elas ouvem isso na vida? Quantas forem necessárias para nos acolher. Tudo em seu texto é imagem, Lu: a casa, a mãe, o namorado, a varanda, o caminho, a escuridão, o milharal, o portão, O beijo (teve né?), o milharal, a escuridão, o caminho, o medo, a mãe, a casa. O tempo!
    Linda recordação.

    Beijo meu!
    Alcides

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alcides meu amigo que bom te ver aqui Obrigada pela visita.

      Tem razão, e por tantas imagens presentes na lembrança, que até me faltou um título para definir esse texto. Por isso acabei repetindo o título do marcador.

      Ah o beijo... claro que teve! Até pensei que ia ficar nos selinhos mas nos despedimos a sós. O menino tinha pouca idade e muito esperteza!kkkkk

      Sim. Quantas vezes elas ouvem esse GRITO de socorro?! Por vezes até por um simples tropeço ou um medo de bicho papão como o meu rs. E elas estão sempre ali para acolher as nossas inseguranças.
      Obrigada, amigo meu!

      Beijo!

      Excluir
  5. Bom dia minha querida.. e como não recordar..
    eu com memória fértil srs e muito boa.. relembro de tudo até hj.. muitos aprendizados..
    a vida é um presente que nos foi dado e feliz de quem consegue soltar o laço de fita que a prende.. que tu sejas sempre muito feliz.... bjs meus doce amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Samuel, são muitos aprendizados. Por isso, que mesmo a vida seguindo feliz, sao tao importantes as boas lembranças.
      Eu também tenho memória boa e fértil. Ainda bem!rsrs.

      Muito obrigada meu amigo! Desejo-te o mesmo com todo carinho.
      Bjs.

      Excluir
  6. Olá! O passado é um raio contínuo que ilumina jornadas, seja ao lado da mãe aqui, ou acolá, com ecos cheios de vida! abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ives,

      É verdade, o passado tem mesmo essa força toda, diante as trilhas da vida.

      Muito obrigada pela visita, querido!
      Abração pra você tambem!

      Excluir
  7. O passado me lembra um álbum, onde colocamos nossos momentos em imagens, assim é o passado dentro de nós, está lá gravado em nosso EU, todos os pontos importantes que marcara estão lá, é muito bom poder reviver o passado, nossa infância, nossos pais, avós, as maluquices que fizemos na mocidade, tudo está la no nosso arquivo pessoal, adorei seu texto, parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. O passado é como um album ao alcance de nossa memória.

      Muito obrigada pela presenca e pelas palavras.

      Bjs.

      Excluir
  8. Existem passagens em nossas vidas que chegam a causar arrepios até nos mais ingênuos milharais.
    Cadinho oCo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente Cadinho. São passagens que nos tatuam e por isso jamais esquemos.

      Grata pela visita e opinião.

      Abraços!

      Excluir
  9. Oi...
    Um texto joia p reflexão... O passado é importante na vida de cada pessoa, devemos valorizar nossa história de vida.
    Boas lembranças vc contou aqui...
    Ser mãe é um grande privilégio! Como é bom lembrar os bons momentos c nossa mãe!!
    Um abraço

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo. Aqui você vai encontrar um pouco de acidez, mas tem um pouco de doçura também, como a vida. Fique a vontade para deixar o seu comentário atitude. Logo após a leitura, o mesmo será publicado.
Muito obrigada pela visita e volte o quanto desejar.
Abraços carinhosos!

Lu Nogfer (Administradora)
Contato: lu.nogfer@hotmail.com