12 de out de 2014

Liberdade de Criança

Era uma vez uma menina esperta para idade e cheia de curiosidades.

Se havia uma coisa que a deslumbrasse completamente, era a natureza!

Como o trajeto que se fazia da escola à sua casa para encurtar o caminho, não passava veículos, ela sempre voltava em companhia dos irmãos mais velhos, correndo atrás dos passarinhos, só para ver até aonde poderia alcançá-los antes que voassem tão alto.

Ela estava bem perto de completar os sete anos...
Finalmente acabaram as férias e aquele era o seu primeiro dia de aula com a nova professora.
Ela estava tão animada e ansiosa!
Sempre gostava do primeiro dia de aula para rever os amiguinhos, fazer novos...

O primeiro dia é sempre leve...
A professora iniciou a aula contando estorinhas e fazendo desenhos para ilustrá-las. Ela parecia gostar muito de desenhar, mas os desenhos eram todos padronizados: a mesma casa parecendo uma capela, o mesmo gato com uma bola sobre a outra, a mesma árvore sem flores nem folhas, a mesma menina sem roupas...

Primeiro desenhou uma casa.
No segundo desenho a professora perguntou:
- Alguém sabe que desenho é este?

Aquela menina de fértil imaginação e nada tímida, levantou uma das pequeninas mãos e respondeu mais que depressa:
-Um espanador, né, professora?
(A professora não gostava de ser chamada de tia. Foi a primeira coisa que avisou ao se apresentar.)

Todos os coleguinhas riram quando ouviram a resposta da pequenina.
A professora pediu silêncio e disse:
-Não, florzinha!
E ela perguntou gesticulando com as mãozinhas:
-Então o que é?
A professora perguntou a turminha e todos responderam:
-Uma meniiina!!!
- Viu só? Uma menininha assim como você!

Ela pensou: "Uma menina...igual a mim???"
Ela tinha certeza que aquilo não se parecia com uma menina, muito menos igual a ela que estava sempre com os cabelos bem arrumados com tranças e laços de fita branca. A menina do desenho, era um traço com um monte de pelos esvoaçantes na ponta. Ela achou parecido com um velho espanador amarelo que a caprichosa mãe, tinha em casa.
Como criança vive associando tudo, imaginou que a professora desenhou o espanador para limpar a  casa que antes desenhara.

A professora não discutiu sobre aquele horrendo desenho aos olhos da aluna. Apenas pediu a todos que desenhassem algo no caderno.
-Igual ao seu?- perguntou  a menina, preocupada e meio acanhada.
A professora respondeu:
-Não! Podem desenhar o que quiserem!

Ela nem sabia desenhar direito mas respirou tão aliviada e fez questão de fugir dos desenhos padrões. Ela não gostava de nada padronizado mesmo...
{Nem sequer escrevia com a mão direita . O que era motivo suficiente para que a contestassem e a forçassem a escrever do jeito certo. "Certo para quem?"}

Continuando...
Todos desenharam a mesma casa parecendo uma capela, o mesmo gato com uma bola sobre a outra, a mesma árvore sem flores nem folhas, a mesma menina sem roupas...
E o desenho da pequenina parecia mais uma pintura abstrata! Porém, dentro da sua imaginação, era uma linda casa, cheia de janelas.
Talvez ela quisera desenhar um castelo ou um sobrado, como era chamado em sua cidadezinha, as casas de dois andares, embora o desenho estava mais para assombrado!

A professora foi em todas as carteiras e quando chegou a vez dela, também achou de questionar aquele estranho desenho como a menina fizera antes com o dela.

Perguntou-lhe o que era, e ela respondeu toda sorridente:
Uma casa!!! Bonita, né? Ela sempre respondia com outra pergunta!

-Isto não é uma casa. Não mesmo! - disse-lhe a professora com ar de riso, meio debochado...

Ela nem ficou decepcionada! Retrucou toda convicta:
-É a minha casa tia...( unho) professora! Quando eu ficar grande assim...Né?
Então a professora sorriu, balançou a cabeça indecisamente e deixou por menos.

Depois desse inesquecível dia, elas se tornaram amigas, cada qual com suas peculiaridades normais para o espaço em que ocupavam!

A professora não era tão cruel por não gostar de ser chamada de tia! E a menina...
Ah! A menina só queria continuar desenhando com sua mãozinha esquerda, tudo o que a sua imaginação permitisse.
(Aprendera a escrever com a mão direita, também, mas esta é uma outra historia.)
...
Ela era apenas uma simples criança, talvez, em  busca inconsciente de sua liberdade de criança.

(Lu Nogfer)

Se não fosse a inocência e o sorriso da criança, a vida não teria graça e não seria um tanto doce. Portanto, ressuscite-a sempre, dentro de você.
Liberte-a para rabiscar e colorir a vida tornando-a mais leve!

Reaprenda com os pequeninos a correr atrás de uma ave, mesmo sabendo que ela voará alto e você terá apenas que acompanhá-la com os olhos.

E lembre-se: a ave talvez desapareça no infinito, mas o azul do céu...
O azul do céu estará sempre ao alcance dos olhos ampliando o ângulo mais bonito pra se ver a vida.

 Um feliz dia da criança a todos, com muitos risos! E um beijo lambuzado com sabor de mel, em todos os pequeninos!




13 comentários:

  1. Que delicia de ler, este conto,.
    Todas as crianças precisam ter liberdade de expressao. Nem que seja apenas por um simples rabisco.

    Achei lindo tudo mas me encantou muito a parte em que a menina tenta alcançar os pássaros ate voarem alto.
    Precisamos realmente aprender tudo de novo com as crianças e principalmente olharmos a vida de um jeito mais bonito.

    Muito belo, Lu. Parabéns!
    Beijos e feliz dia da criança a vc e a todos que valorizam as nossas crianças.

    ResponderExcluir
  2. Oi Lu vim agradecer a sua visita em meu blog, e também conhecer o seu lindo espaço
    Gostei muito do seu conto.
    A criança deve ser respeitada na sua maneira de ser. E Todos temos muito o que aprender com elas.
    Afinal, ser criança é tudo de bom!
    Beijos, e uma boa noite para você!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  3. Essa música é linda e o vídeo, um encanto.
    Seu conto mostra o sentir mágico das crianças, cuja imaginação não tem limites e precisa ser estimulada. Ri quando falou sobre a vassoura porque as crianças não se policiam e são transparentes. Se o desenho lhe pareceu uma, que fosse (kkkk).
    Ainda que não se alcance o pássaro, vale a pena o trajeto que se supõe o vá permitir. Isso, para elas e para nosso olhar. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Os laços, sejam da amizade ou de qualquer relacionamento, estão baseados, ainda, na inocência! abraços

    ResponderExcluir
  5. Li tudinho, querida Lu!
    Gostei dessa menina com personalidade, embora educada e boa. Por que será que só nós, adultos, achamos que sabemos de tudo?

    Obrigada por me seguir. Obrigada pelo teu carinho e mais agradecida ainda por estar aqui, desfrutando desse consciente e agradável espaço.
    Muitos beijinhos no teu coração!

    ResponderExcluir
  6. @Vanuza Pantaleão

    Seja bem-vinda minha querida! O prazer é todo meu em te-la aqui.
    Amei o teu espaço também e já já vou buscar o link.

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, as crianças merecem...
    Crianças são a energia do futuro, beijo Lisetet.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?

    Muito bom o conto. Coincidentemente, em meu humilde blog, postei algo sobre resgatarmos a criança interna que existe dentro de cada um de nós - justamente essa criatividade e a transparência quanto aos sentimentos, o que faz muita falta no mundo adulto.

    Parabéns pelo espaço e pelo texto.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. @Jaime Guimarães

    Olá!Tudo joia!

    Obrigada e seja muito bem-vindo, viu!
    Já já passo para conhecer teu blog!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Lu, cheguei querida!
    Ah, e estava louca para vir!
    E eu, como sempre esbaforida fui correndo primeiro no Asas procurar a sua tenra infância... E só depois percebi que só poderia estar no ATITUDE! Oras, como fui maluquinha né? hahaha

    Que gracinha de conto! A sua cara, o seu jeitinho! A menininha é inteira você, em personalidade,em personificação e, principalmente, atitude!
    Sabe, adoraria ter sido uma garotinha assim também, questionadora, observadora, atenta à tudo ao meu redor e não se deixando levar pelas opiniões e posturas alheias! Mas eu era essencialmente tímida, retraída e ficava sempre no meu cantinho sem atrapalhar ninguém! É claro, não incomodava a professora ou os meus coleguinhas, mas também nada de novo acrescentava. (risos) Via tudo à minha volta,queria até me posicionar, mas sempre preferia ficar invisível, lá no finalzinho da sala, quase abaixadinha na carteira para ninguém me ver..rsrs

    Sabe, o seu texto também me levou a entender um pouco mais da mente infantil. Naquela época raciocinamos de uma maneira leve e até mais inteligente do que agora. Creio que estimular o raciocínio da criança, nesta idade, o tornará um adulto bem mais ciente e consciente do seu papel que exerce na sociedade! Tornar-se-á sim, um ser antenado, mais participativo, envolvido, ciente da sua incumbência no mundo e totalmente integrado ao ambiente.

    E ahhh, como eu adoro essa canção amiga!! Amo, amo muito de paixão! É pura poesia, pueril, vida...é fantástica!!

    É claro que amei vir aqui!
    Foi um momento incrível que revivi..
    Afinal, nossa doce e terna infância deixa traços para sempre em nossa personalidade!
    Obrigada pelo imenso carinho querida, você sempre um doce, um amor de pessoa, envolvente e acima de tudo humana, que entende a gente, pois é gente como a gente! :))))

    Beijinhos ternos e uma semana linda, com muito amor! ♥

    ResponderExcluir
  11. Olá Lu, vim conhecer seu espaço e devo dizer que adorei o seu espaço, o texto é de uma grandeza ímpar. Coincidentemente , postei um texto sobre a criança interior que habia em cada um de nós;

    PS: sinta-se à vontade para pegar o texto que desejar, será uma honra ter um trabalho postado nessa grandiosa página.
    Bjs querida.

    ResponderExcluir
  12. @dinapoetisadapaz

    Olá minha querida!
    Seja muito bem vinda aqui, também!

    Este, é mais um cantinho que publico alguns dos meus rabiscos e opiniões diversas, sobretudo textos de excelentes escritores e poetas assim como voce.
    Fico feliz que tenha gostado daqui e grata pela autorização para postar uma de suas pérolas. Assim que o fizer, estarei passando no Ventos Poéticos, para avisá-la.

    Já, já passo lá para saborear o seu novo texto.

    Beijos e o meu carinho.

    ResponderExcluir
  13. OI LU!
    UM TEXTO RICO, NO QUAL PODEMOS ESTAR, EU, TU, QUALQUER UM, QUE AO LÊ-LO,SE IDENTIFICARÁ COM ESTA MENINA SONHADORA E JÁ, COM TANTA ATITUDE.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo. Aqui você vai encontrar um pouco de acidez, mas tem um pouco de doçura também, como a vida. Fique a vontade para deixar o seu comentário atitude. Logo após a leitura, o mesmo será publicado.
Muito obrigada pela visita e volte o quanto desejar.
Abraços carinhosos!

Lu Nogfer (Administradora)
Contato: lu.nogfer@hotmail.com